“Tentativa de Bolieiro envolver os outros partidos na ‘normalização’ do CHEGA é politicamente desonesta”

PS Açores - 30 de abril

“A tentativa de envolver os outros partidos na “normalização do CHEGA” é politicamente desonesta, da parte do Presidente do Governo Regional dos Açores, José Manuel Bolieiro”, lamenta Berto Messias, dirigente do PS/Açores. “Foi o PSD que assinou um acordo de incidência parlamentar com o partido Chega, por forma a garantir a sua sobrevivência governativa”, sublinha.

Na entrevista que deu ao Jornal Expresso, José Manuel Bolieiro tenta ensaiar a narrativa de que “todos estão a normalizar o Chega” pelo facto de terem votado a favor de propostas apresentadas por este Partido. Berto Messias esclarece que “o Partido Socialista votou favoravelmente o aumento do complemento de pensão aos idosos, bem como a criação do Gabinete Contra a Corrupção, mas isso não pode gerar qualquer tipo de confusão, nem tão pouco permitir a leitura e narrativa do Presidente do Governo nesta entrevista”.

“Por muito que tente criar manobras de diversão para desviar as atenções, o Partido Social Democrata renegou a sua matriz programática e histórica e normalizou um Partido de direita com matriz ideológica populista, anti Autonomias Regionais e segregacionista, para derrubar o Governo do Partido Socialista e assaltar o poder nos Açores. Comparar essa ação, com a aprovação de duas propostas no Plano e Orçamento é política e intelectualmente desonesto”, acrescenta.

Berto Messias recorda, ainda, que “na qualidade de Presidente do Governo dos Açores, foi José Manuel Bolieiro quem recebeu no Palácio de Santana o presidente do Partido Chega, André Ventura, para abordar questões partidárias e não governativas, confirmando que o relacionamento próximo entre o PSD/Açores e o Chega, não se limita aos deputados regionais”.

“Ao invés de estar no continente numa operação de relações públicas junto da comunicação social nacional, o Presidente do Governo deveria estar nos Açores, dando a cara, assumindo as suas responsabilidades, a liderar a gestão da pandemia e evitando as asneiras gritantes que o Governo Regional continua a fazer nesta gestão, sobretudo na Ilha de São Miguel”, exorta o dirigente do PS/Açores.