Instalação dos serviços da Vice-Presidência na ilha do Corvo não passou de encenação política, salientou Lubélio Mendonça

PS Açores - 21 de julho

Lubélio Mendonça realçou, esta quinta-feira, que a instalação dos serviços da Vice-Presidência na ilha do Corvo “não passou de uma encenação política para agradar ao PPM e iludir os Corvinos”.

O deputado do PS eleito pela ilha do Corvo reagia assim à publicação em Diário da República da nova orgânica da Vice-Presidência, que retira os seus serviços da ilha do Corvo, menos de um ano após a sua implementação.

“Criar um serviço com uma funcionária na ilha do Corvo, para o extinguir menos de um ano após a sua criação não é sério, é apenas mais uma prova de que este Governo só pretende contentar clientelas internas para sustentação desta coligação e não servir os Açorianos”, salientou.

Lubélio Mendonça realçou que a instalação deste serviço na ilha do Corvo “gerou expectativa junto dos Corvinos” mas, afinal de contas, “tudo não passou apenas de uma ilusão de que se estava a criar algo no Corvo”.

O deputado socialista questiona, igualmente, qual o destino que será dado a esta funcionária, que vê agora extinto o seu recém-criado posto de trabalho.

“O que acontecerá a esta pessoa? Será despedida? Deslocada para outro serviço? Será transferida para fora da ilha do Corvo?”.

Para Lubélio Mendonça, o Governo Regional “não foi sério nem transparente” em toda esta situação e “fica muito mal na fotografia, traindo a confiança dos Corvinos”.

“Já não bastava terem-nos tirado o médico que prestava um bom serviço, no qual os Corvinos confiavam e que saiu do Corvo, simplesmente porque este Governo quis nomear clientelas partidárias. Agora acabam com um serviço que foi prometido, menos de um ano depois da sua implementação. Ou este Governo está completamente perdido, ou está a brincar com os Corvinos, ou ambas”, finalizou o deputado do GPPS, Lubélio Mendonça.