Processo de exoneração do médico do Corvo fragiliza prestação de cuidados de saúde, realça Lubélio Mendonça

PS Açores - 2 de junho

O deputado do PS eleito pela ilha do Corvo destacou, esta quarta-feira, que “toda a trapalhada do processo de exoneração do Dr. António Salgado fragiliza a prestação de cuidados de saúde na ilha do Corvo”.

Lubélio Mendonça falava no Parlamento Açoriano, numa sessão de perguntas ao Governo sobre a ilha do Corvo.

O parlamentar lamentou que o Governo opte muitas vezes por “abandonar a resolução de problemas, muitas vezes sem fazer qualquer esforço para melhorar a qualidade de vida dos Corvinos”.

Lubélio Mendonça acusou o Governo Regional de “lançar a  confusão total na Unidade de Saúde do Corvo” e o “pânico entre a população Corvina”, exigindo explicações.

“Primeiro dizem que não estão a afastar o médico de família da ilha Corvo, mas apenas a substituir o Presidente do Conselho de Administração, sem apontar razões convincentes. Dias depois é enviado um email para o médico a exigir que o mesmo desocupasse grande parte da habitação que lhe foi cedida. E agora, dias depois, informam aquele médico da sua cessação de funções como diretor clínico daquela unidade de saúde, mais uma vez com desculpas muito pouco convincentes. Estamos perante, sem qualquer sombra de dúvida, um episódio de enorme pressão para levar o Dr. António Salgado a abandonar a ilha do Corvo, contra a vontade dos Corvinos”, lamentou o parlamentar socialista.

Lubélio Mendonça assegurou que fará tudo o que estiver ao seu alcance para “apurar toda a verdade em torno deste nebuloso processo”, que classificou como “pouco transparente e sem nenhum fundamento”.

Nesse sentido, questionou reiteradamente o Secretário Regional da Saúde, Clélio Meneses, sem que este tivesse conseguido dar uma explicação satisfatória.

Outra questão abordada pelo deputado do PS foi a “trapalhada” que levou à não participação de alunos da Escola Básica e Secundária Mouzinho da Silveira e de atletas do Clube Escolar Desportivo do Corvo no Encontro Anual “Escolinhas do Desporto”.

“Não foi realizado nenhum contacto por parte da delegação do desporto da ilha do Corvo nem de nenhum técnico da tutela, nem sequer um e-mail a promover o encontro ou a sugerir a participação dos jovens da ilha do Corvo no Encontro Anual Escolinhas do Desporto”, lamentou Lubélio Mendonça.

“Foi para isso que foi criado uma Delegação de Desporto na ilha do Corvo?”, indagou.

Lubélio Mendonça questionou, ainda, se o avião cargueiro recentemente anunciado pela Secretária Regional Berta Cabral irá servir também a ilha do Corvo na importação e exportação de cargas, verificando que “mais uma vez, a ilha do Corvo fica de fora dos planos do Governo”.

“A decisão do Conselho de Governo em suprimir a operação sazonal de transportes marítimos de passageiros e viaturas entre o grupo ocidental e o restante arquipélago penalizou verdadeiramente a mobilidade para as ilhas das Flores e do Corvo, com implicações no desenvolvimento económico, isolando-as e colocando em causa o princípio da Coesão territorial. O fim dos encaminhamentos aéreos e o fim do transporte marítimo de passageiros e viaturas foram rudes golpes. Será que o Governo Regional pretende compensar os empresários Corvinos?”, questionou o deputado do PS eleito pelo Corvo, Lubélio Mendonça.