PS/Ponta Delgada lamenta que PSD tente retirar dividendos políticos do voto dos Vereadores Socialistas

PS Açores - 9 de setembro

A secção de Ponta Delgada do PS lamentou, esta quinta-feira, que o PSD utilize, uma vez mais, a votação dos Vereadores Socialistas na maior autarquia da Região, como arma de arremesso, sendo o seu único objetivo “o de tirar dividendos políticos em vésperas de eleições”.

Os vereadores do PS sempre foram favoráveis a apoiar o movimento escutista no concelho, são é contra a subsidiar indiscriminadamente a quota anual de todos os escuteiros do concelho, sem refletir o princípio de justiça social, recorrendo sim, a situações simplistas com o único objetivo de tentar agradar a tudo e a todos.

Para Nuno Miranda, da secção do PS/Ponta Delgada, mais uma vez a maioria do PSD demonstra “uma clara falta de sensibilidade e de justiça social”, postura que se assume já “como uma impressão digital desta maioria”, sendo por isso de lamentar que não consigam compreender “que respeitar e cumprir o princípio da igualdade, na administração dos recursos públicos, não significa tratar de forma igual o que é diferente porque, se assim for, estaremos, na verdade, a violar esse princípio de igualdade”.

No entender do PS, e face a esta medida que os Vereadores Socialistas já tinham votado contra nos anos de 2017, 2018 e 2019, tal como agora, a alternativa devia passar pelo “apoio, financeiro, das inscrições nos escuteiros, tendo em conta as reais necessidades das famílias”.

“Entendemos que os apoios deveriam ser atribuídos às famílias que mais necessitam, recorrendo aos escalões que já existem para a ação social escolar, permitindo, assim, contribuir para a quota de inscrição, mas também para a aquisição de fardas, sem que isso implique mais gastos para a autarquia”, assegurou o Socialista.

Salientando ainda a dinâmica das associações e movimentos juvenis do concelho, que representam um contributo relevante para a cidade e para o concelho, Nuno Miranda destacou ser essencial que a autarquia tenha, em relação ao movimento associativo, “políticas proativas que permitam, através de sinergias, de otimização de recursos e de planeamento das diferentes ofertas existentes, contribuir para executar o enorme potencial que a juventude e os movimentos associativos encerram para o presente e para o futuro de Ponta Delgada”.

“Mais do que subsidiar, indiscriminadamente, como agora fez, o pagamento da quota anual de todos os escuteiros inscritos no concelho, é chegado o tempo de a Câmara Municipal de Ponta Delgada deixar de ser dominada por uma visão redutora quer do seu próprio papel na comunidade quer do papel dos parceiros e dos diferentes agentes sociais”, acrescentou ainda o Socialista.