Deputados do PS congratulam-se com assinatura do protocolo que formaliza o Observatório do Atlântico

PS Açores - 14 de outubro

 

Os deputados do Partido Socialista dos Açores à Assembleia da República saudaram a assinatura do protocolo para a criação do Observatório do Atlântico, estrutura a sediar na ilha do Faial e no qual se prevê que venha a funcionar em rede, agregando diferente entidades científicas nacionais e estrangeiras, enquanto espaço de produção de conhecimento sobre o Oceano.

“Com a concretização deste projeto Portugal verá reforçada a sua posição no atlântico bem como o seu posicionamento internacional, sendo que este projeto de coordenação, valorização e desenvolvimento da ciência, pretende envolver vários países, capacitando para a decisão, orientado para o conhecimento e monitorização dos ecossistemas marinhos, a sua preservação e sustentabilidade”, referiu, esta quarta-feira, o deputado João Castro.

Proposta a sua criação em 2016, face à posição geográfica e de biodiversidade marinha da Região, ficou estabelecido com a Declaração Conjunta assinada entre o Governo da República e dos Açores, em abril desse ano, que o Observatório do Atlântico seria especialmente vocacionado para a proteção, investigação, monitorização e aproveitamento socioeconómico dos espaços marinhos desta área.

Já em 2017, e por Resolução do Conselho de Ministros foi constituída a Comissão Instaladora do Observatório do Atlântico, a qual definiu as medidas e os instrumentos necessários à criação, instalação e operacionalização do Observatório, bem como a apresentação da estimativa dos encargos necessários à sua instalação e funcionamento.

No início de 2021, foi celebrado um memorando de entendimento, entre diferentes entidades, visando a instalação do Observatório do Atlântico na persecução de objetivos como a dinamização de atividades de referência internacional, nomeadamente ao nível das áreas da investigação, monitorização e transferência de conhecimento sobre o Atlântico; estimular e promover projetos que permitam aumentar o conhecimento sobre o Atlântico; contribuir para o reforço do emprego científico e qualificado em ciências e tecnologias do mar em Portugal; contribuir para o esforço nacional de mapear os fundos marinhos; reforçar a atividade de investigação e desenvolvimento (I&D); promover investigação aplicada que contribua para a conservação e restauro dos ecossistemas marinhos; reforçar o conhecimento sobre as interações espaço-clima-oceano e sobre as alterações climáticas; dinamizar atividades de formação avançada e especializada; contribuir para a otimização operacional dos equipamentos e infraestruturas disponíveis para I&D, potenciar parcerias internacionais já existentes e a desenvolver bem como a monitorização e exploração socioeconómica dos espaços marítimos, maximizando a posição geoestratégica de Portugal no Atlântico e a centralidade atlântica dos Açores.

É neste contexto que os deputados do Partido Socialista reiteram a sua satisfação pela concretização deste processo, desta feita com a assinatura do protocolo para instalação do Observatório do Atlântico, enquanto iniciativa agregadora do contributo, da oportunidade e da profundidade atlântica, das áreas marítimas sob jurisdição nacional, para uma utilização sustentável dos Oceanos.