Vasco Cordeiro alerta para a tentativa de instrumentalizar eleições autárquicas de 26 de setembro

PS Açores - 22 de setembro

“Chegamos a estas eleições autárquicas com uma tentativa de instrumentalizá-las, não como eleições que devem ser uma manifestação da vontade dos Corvinos sobre quem querem que seja o Presidente da Câmara Municipal, mas uma tentativa de instrumentalizá-las para tornar a Câmara Municipal do Corvo em mais uma peça neste xadrez político regional”, destacou o Presidente do PS/Açores para salientar estar na mão da população da ilha do Corvo se aceitam, ou não, essa instrumentalização.

Para Vasco Cordeiro, que intervinha na apresentação das listas à Câmara Municipal da ilha, a autarquia deve ter como primeiro critério da sua ação, o serviço à população, destacando, por isso, o candidato Socialista e atual presidente da autarquia como sendo aquele que apresenta “um projeto ao serviço dos Corvinos”.

“O José Silva é um candidato que não o é por procuração de ninguém”, e a partir de 26 de setembro, “aquele que é o seu mandato é o de servir todos os Corvinos”, assegurou o líder do PS/Açores, para salientar “que nem todas as candidaturas nestas eleições autárquicas, aqui, na ilha do Corvo, possam dizer o mesmo”.

“Para o Partido Socialista, estas não são eleições que se resumem a saber quem ganha mais uma Câmara para fazer fretes ao Governo Regional. Não se resumem a saber quem ganha a Câmara, se tem mais votos e se, por esta via, pode servir as ambições políticas de terceiros, não são a propósito de partidos. São a propósito desta comunidade, daquilo que é importante continuar a fazer com confiança na capacidade demonstrada pelo trabalho realizado, mas sobretudo com a confiança no futuro que se quer construir também aqui no Corvo”, referiu Vasco Cordeiro.

Assim, e manifestando ser uma escolha óbvia, o Presidente do PS/A relevou ser o José Manuel Silva e a candidatura do Partido Socialista aquela que “dá, e já deu, provas da sua capacidade, da sua competência, mas, sobretudo, desta sua vontade de colocar sempre o Corvo e os Corvinos em primeiro lugar”.

Mas para Vasco Cordeiro, as eleições autárquicas de 26 de setembro estão ainda envolvidas num ruído que se gera “naquela que é a zaragata de várias mãos quererem tomar o leme desta embarcação”, alertando, por isso, para a importância de, face ao atual contexto desafiante e exigente que atravessamos, termos ao leme alguém com uma ideia clara do rumo a seguir e do porto a alcançar, salientando, nessa medida, ser o candidato do PS aquele que tem “um rumo que serve os Corvinos”, e cujo porto a alcançar se traduz na “concretização, finalização e conclusão de um projeto iniciado há oito anos mas que ainda tem muito a dar para o progresso e desenvolvimento da ilha do Corvo”.

“E é por isso que nestas eleições autárquicas importa que, para além do ruído, não nos esqueçamos de quem é verdadeiramente o candidato. Da nossa parte há transparência total, o candidato a Presidente da Câmara Municipal do Corvo é o homem que os Corvinos conhecem, e que sabem que consegue realizar, fazer e concretizar. É o homem que pensa pela sua cabeça o futuro desta ilha e da comunidade, e isto é essencial, porque é isto que ficou colocado nestas eleições, por aquela que é a ambição desmedida de tudo controlar por parte de alguns outros partidos que aqui estão presentes nestas eleições autárquicas”, afirmou o Socialista.

Assim, e apelando à mobilização para que a ilha do Corvo “não seja instrumentalizada por nada, nem por ninguém, e para que os Corvinos não tenham de ser objeto de nenhuma negociação tendo em conta outro tipo de interesses à escala regional”, Vasco Cordeiro defendeu que para que isso aconteça “é importante o voto no Partido Socialista, o voto no José Manuel Silva para Presidente da Câmara Municipal do Corvo, porque só o voto no PS é o voto verdadeiro e genuíno na ilha do Corvo”