Francisco César considera que os resultados das negociações dos próximos fundos comunitários são “uma grande vitória para os Açores”

PS Açores - 11 de setembro
O Presidente do Grupo Parlamentar do PS/Açores considerou que os resultados das negociações dos fundos comunitários são “uma grande vitória para os Açores e para os Açorianos”. Francisco César, em declarações aos jornalistas, destacou o reforço de cerca de 111 milhões de euros garantidos pelo executivo açoriano e a duplicação dos fundos do próximo quadro. “Em pouco mais de dois meses, em tempo recorde, o Governo dos Açores e o Governo da República concluíram a negociação sobre o atual quadro comunitário e sobre os fundos comunitários para os próximos sete anos, garantindo um reforço de cerca de 111 milhões de euros, para aplicar na Agenda para o Relançamento Social e Económico dos Açores e, também, a duplicação dos fundos do próximo quadro comunitário de apoio”, adiantou. Francisco César considera que esta é “uma grande oportunidade que temos para poder aproveitar para relançar a economia, diminuir o desemprego e ter um projeto de transformação económica”. Para o líder da bancada socialista esta foi “uma boa noticia para os Açores, uma grande vitória e algo que nos permite perspetivar o futuro com esperança”. O próximo quadro, acrescentou, “com mais de três mil e 200 milhões de euros para sete anos, já será da responsabilidade do próximo Governo eleito, com um programa sufragado pela maioria dos Açorianos, caberá a responsabilidade de o implementar através de instrumentos, como sejam, as Orientações a Médio Prazo, o próximo Plano de Investimentos e de um Programa de Governo que, naturalmente, também será sufragado no Parlamento dos Açores”. Para Francisco César este “é, também, um tempo de responsabilidade preparada”, em que “o atual quadro comunitário de apoio continuará a ser implementado através da Agenda para o Relançamento Social e Económico dos Açores - que foi uma agenda participada, que recebeu contributos da sociedade civil e de todos os partidos políticos”.